VIDA ABUNDANTE

VIDA ABUNDANTE

VIDA ABUNDANTE

Os animais que ruminam engolem o capim e depois ficam horas regurgitando e remoendo aquele alimento para tirar dele o máximo de nutrientes possível. Uma vaca gasta 4 minutos arrancando e engolindo o capim, mas fica de 10 a 60 horas ruminando o que comeu. Dizem que quanto mais tempo ela rumina, melhor é a qualidade do leite.

O termo ruminar passou a ser usado para indicar o pensar profundamente, o ato de meditar, de refletir. Venho ruminando os capítulos 7 a 10 do Evangelho de João e tive alguns confrontos sobre a minha vida, sobre a minha mentalidade, sobre o meu relacionamento com Jesus. É o que desejo compartilhar com você, especialmente referente aos capítulos 9 e 10. Do capítulo 7 até João 10:21 tudo que é narrado ali acontece no contexto da Festa de Tabernáculos.

Vamos começar com João 10:10  -  “O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente”. (NVI)

Jesus disse claramente que veio trazer vida abundante, vida plena. Para ruminar a Palavra é preciso fazer perguntas. As perguntas são como o ato de mastigar. Elas põem pressão para tirar casca, capa, embalagem e extrair a resposta que precisamos. Precisamos aprender a fazer perguntas até achar a resposta certa. Eu me fiz várias perguntas: Eu estou tendo vida plena em Jesus? Quem eu conheço que tem essa vida plena? Pergunte-se a si mesmo sobre isso. Sua vida está plena? Você está tendo uma vida abundante?

As perguntas que a gente se faz parecem ser mais difíceis de responder. Parece ser mais fácil falar do outro do que de si mesmo, né? Quem você conhece, que é do seu relacionamento, que tem essa vida abundante de Jesus? Consegue indicar cinco pessoas?

Se formos sinceros, a maioria de nós não tem uma vida plena e conheceremos pouquíssimas pessoas em plenitude com Jesus. O que está errado? As palavras de Jesus não são verdadeiras? Ou é o nosso entendimento sobre esta vida plena? A maioria de nós dirá que Jesus é a verdade e suas palavras são verdadeiras. Mas a maioria também se justifica dizendo que a vida abundante está no futuro, em nossa vida eterna.

Quando recebemos a Cristo, recebemos dele a vida e recebemos de forma plena. Meus medos e inseguranças desapareceram, paz completa e a alegria pulsavam no meu coração, certeza de ser amado por Deus e uma grande vontade de amar, conhecer e servir a Deus, de ler e estudar a Bíblia, de orar, de congregar, de batizar, de amar as pessoas, de gritar para o mundo que Deus é amor e que Ele deu Jesus para nos levar de volta para Ele.

Lembra da sua conversão a Cristo? Você também recebeu vida e vida plena. Não há nada que podemos fazer para merecer ou ganhar por mérito essa vida plena de Jesus. Só recebe-lo em nossas vidas. Mas há muita coisa que eu posso fazer para não fluir nessa vida plena.

A Igreja que prevalece flui na vida abundante de Cristo. Precisamos crescer na vida plena de Cristo. Jesus nos deu vida abundante para todos os dias (passado, presente e futuro). Jesus nos dá vida plena porque Ele nos conecta ao Pai, a fonte da vida. Ela está relacionada a SER e não ao TER. Ser está ligado a identidade, propósito e destino de Deus para nós. Totalmente ligados à nossa relação com Deus.

Como associo vida abundante com identidade, propósito e destino? Porque do capítulo 7 ao 10 diversas vezes há a discussão sobre quem Jesus era, sobre o que Ele estava fazendo e sobre seu destino. Os religiosos ficaram malucos com Jesus porque ele manifestava uma vida plena que eles não tinham e atacavam exatamente sua identidade, propósito e destino.

Responda rápido, quem é o ladrão? É provável que você e todos da Igreja digam: o Diabo. De fato, o diabo é ladrão e ele também mata e destrói. Jesus realmente disse que o Diabo é pai da mentira e homicida (8:44). Mas em João 10:10, Jesus estava falando do Diabo? Ele estava falando para o Diabo? Não e não! Se não é o Diabo, quem é o ladrão que Jesus está falando?

Pelo contexto, Jesus estava dirigindo a palavra a alguns fariseus (9:40). Ele estava chamando os fariseus de ladrão? Sim! Mas todos os fariseus eram ladrões que roubavam, matavam e destruíam? Não! Então o que Jesus queria dizer ao falar do ladrão que vem para roubar, matar e destruir?

Jesus estava denunciado a mentalidade religiosa que dominava aquela geração. A mentalidade religiosa levou pessoas bem-intencionadas a serem moralistas, legalistas e orgulhosos.

Jesus não tem problema com pecadores, mas Ele tem problema com os religiosos. Ele veio julgar o mundo e toda mentalidade religiosa (os que acham que enxergam – 9:41) e levantar os pecadores arrependidos (aqueles que reconhecem que são cegos (9:39). Por que Jesus tem problema com os religiosos?

Porque os religiosos julgam os outros em vez de julgarem a si mesmos. Os religiosos disseram que Jesus não era de Deus (9:16), que Ele era endemoninhado e louco (10:20), e o chamaram de pecador (9:24).

Os religiosos criam suas regras ou interpretam a Lei como lhe convém e depois acusam todos que não se encaixam nelas de serem pecadores. Foi isso que fizeram quando acusaram Jesus de não guardar o sábado (9:16). Na Lei oral havia a proibição de não fazer massa para construir no sábado. Como Jesus cuspiu na terra, fez um barro e passou nos olhos do cego, eles o acusaram de construir e, com isso, violar o sábado.

Religiosos são incrédulos e duros de coração. São racionais e frios (9:18). Vivem a cultura da punição. Quem errou deve ser punido rigorosamente (9:22;34). Não há espaço para compaixão e misericórdia.

Religiosos reagem com insultos quando são confrontados (9:28). Insultar é proferir palavras ou ter um comportamento que atingem gravemente a dignidade, a integridade, a honra de (outrem); afrontar; ofender.

A mentalidade religiosa teme os homens, quer ter o controle humano de tudo, quer conformar as coisas de Deus a uma vida natural e terrena.

Então, quem é o ladrão? É o religioso, é a mentalidade religiosa. A pessoa religiosa é um perigo. Ela rouba, mata e destrói tudo o que Deus faz pelo ser humano.

Claro que o Diabo está por trás da mentalidade religiosa, porque ele é o pai da religião e de todos os religiosos. Ele até quis prender Jesus na religião (Mt 4:1-11), tentou queimar a identidade de Jesus com a mentalidade religiosa.

Jesus viveu como judeu devoto, em tudo cumpriu a Lei, frequentou semanalmente aos sábados à Sinagoga (Igreja), mas Ele jamais foi um religioso.

Jesus é a vida. Ele veio para destruir a mentalidade religiosa. Os religiosos ficaram confusos com Jesus. Ele veio para dar vida e vida abundante. Ele é avivador! O que está morto recebe vida em Jesus. Qual a dimensão dessa vida? Vida abundante, transbordante, plena. É quantidade de vida, mas é também qualidade de vida; é vida superior, excelente.

Como está a sua vida? Te interessa receber vida abundante? Se você diz sim, precisa saber que Jesus tá falando sobre SER e não sobre TER!

A mentalidade religiosa não entende isso porque vive o EU TER e não o EU SER (10:6). Mas Jesus veio tratar com o ser humano para leva-lo de volta ao projeto original de Deus (Gn 1:26-27): ser a sua imagem e semelhança e dominar sobre todas as coisas.

A vida abundante de Jesus está em cada crente, mas ela fruirá cada vez mais quando descobrirmos nossa Identidade e o nosso Propósito. Jesus tá falando do que podemos ser NELE. E por isso Ele diz por cinco vezes: EU SOU entre os capítulos 7 e 10 de João. Receber Jesus como o EU SOU, restaura quem nós somos, como aconteceu com o cego de nascença.

O cego de nascença era pobre e mendigo; era visto pela mente religiosa como pecador e fruto do pecado de seus pais (9:1-2;8:34). Após ter um encontro com Jesus sua visão foi restaurada e deixou de ser mendigo. Deixou de ser o que não era para ser e passou a ser o que precisava ser para glória de Deus. Sua mudança aconteceu à medida que seu relacionamento com Jesus se aprofundava.

Quanto mais ele conhecia o EU SOU, mais ele se alcançava um nível de entendimento que o transformava:

1)     Conheceu o homem chamado Jesus – Nível natural (9:11);

2)     Conheceu Jesus como um profeta – Nível religioso (9:17);

3)     Conheceu Jesus como o Filho do Homem (Cristo) e o adorou – Nível espiritual (9:35-38).

Jesus disse: “Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar (9:4)”. A noite está chegando, mas ainda é dia. A oportunidade de SER, de forma plena, o que Deus te chamou para ser está em Jesus.

Os fariseus começaram bem a vida com Deus, mas muitos deles terminaram distantes de Deus. A Igreja que prevalece não vive religião. O crente que prevalece não tem mentalidade religiosa. Quebre a sua religião. Abre mão de sua mentalidade religiosa. Bata no peito e se arrependa da mentalidade religiosa. Saia da religião e vem receber vida abundante! Uma vida livre, poderosa, próspera na sua identidade, propósito e destino em Deus.

Pr Juliano Cunha


PUBLICADA EM: 17/12/2019 11:53:54 | VOLTAR PARA Mensagens | OUTRAS PUBLICAÇÕES
FONTE: Pr Juliano Cunha


CURSOS E TREINAMENTOS
Turmas e cursos em aberto

Profissionais da igreja
Tudo o que você precisa:

Nossos contatos
Vamos conversar?

  • 31 - 3245-9009
  • 31 -
  • secretaria@imcbh.com.br
  • juliano.urias@gmail.com
  • Fale conosco

Redes sociais
Curta nossas redes

Liderança e equipe
Conheça nossa equipe